Programa ‘Criança Feliz Brasiliense’ cresce na pandemia – Agência Brasília

Author

Categories

Share

Entre as ações de enfrentamento à pandemia de covid-19 no Distrito Federal, o programa Criança Feliz Brasiliense ganhou destaque e será duplicado em 2021 por conta da importância do cuidado com a primeira infância. O tema foi assunto da live promovida nesta sexta-feira (28) pela Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), disponível no Youtube.

Participaram do evento a secretária executiva do Comitê Gestor do Programa, Fernanda Monteiro, e a especialista em assistência social e multiplicadora do programa Verônica Oliveira. Elas abordaram como o Criança Feliz Brasiliense se integra a outras políticas públicas, o desafio de atuação durante a pandemia e a expansão de 1.600 crianças acompanhadas em 2020 para 3.200 em 2021.

Live detalhou como as equipes do Programa Criança Feliz Brasiliense vêm atuando neste período de combate à covid-19 | Foto: Divulgação/Sedes

“Nós acreditamos firmemente que demos um suporte muito importante para essas famílias”, afirmou Verônica Oliveira. Ela trabalha na capacitação dos profissionais responsáveis pelas visitas domiciliares, agora transformadas em encontros on-line ou por telefone, e ressaltou que durante a pandemia foi possível identificar diversas situações de vulnerabilidade, que iam além da financeira. “Esse programa se chama Criança Feliz, mas repercute em toda a família”, explicou.

Mesmo em meio à pandemia de covid-19, o Criança Feliz Brasiliense fez 27.645 atendimentos no ano passado. Voltado para gestantes e famílias com crianças de até três anos, ou seis anos no caso de cadastro no Benefício de Prestação Continuada (BPC) ou existência de medidas protetivas, o programa promove a atenção e o apoio à família, fortalecimento de vínculos e estímulo ao desenvolvimento infantil. “É extremamente importante. Crianças que se sentem cuidadas vão levar isso para o resto da vida delas”, definiu Fernanda Monteiro durante a live.

Elogios

No chat do YouTube, a participante Dolores Ferreira elogiou a iniciativa: “Uma primeira infância com cuidados, amor, estímulo e interação pavimenta o caminho para que a criança aproveite todo o seu potencial. Nasce um adulto mais saudável e equilibrado”, disse. A internauta Dani Cerqueira também avaliou positivamente: “Uma criança que tem um cuidado responsivo, que tem a segurança de saber que há um cuidador ali por ela, torna-se mais confiante e tende a se arriscar mais na exploração do mundo”, afirmou.

Educadora Social, Verônica Oliveira detalhou como é o treinamento dos profissionais responsáveis pelo acompanhamento das famílias. Cabe a eles identificar eventuais vulnerabilidades e, se for o caso, fazer a articulação com outras políticas públicas por meio dos Centros de Referência de Assistência Social (Cras), Centros de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), Hospital da Criança e Conselhos Tutelares etc. “A gente consegue atender os mais vulneráveis entre os mais vulneráveis”, disse Verônica.

O programa vai além do acompanhamento das famílias. Diversas políticas públicas, em áreas como educação, saúde e cultura, têm sido articuladas em torno da atenção à primeira infância. Entre as iniciativas está o Prêmio Região Administrativa Amiga da Criança. “Este prêmio faz com que o administrador consiga olhar a sua cidade em uma altura de 95 centímetros”, explicou Fernanda Monteiro, em referência às crianças com três anos de idade. Segundo ela, o Comitê Gestor já avançou na promoção do entendimento da importância da primeira infância.

Durante a live, a internauta Regiane Rocha lembrou a relevância de promover a cidadania infantil. “Precisamos ter em mente que educamos para que no momento da infância a criança seja vista como sujeito de direitos, hoje, e não apenas o futuro adulto”, comentou.

 

*Com informações da Secretaria de Desenvolvimento Social



Source link

Author

Share