MAB abre visitação pública com Tarsila do Amaral e Orlando Brito – Agência Brasília

Author

Categories

Share


O Museu de Arte de Brasília (MAB) está pronto para abrir suas portas ao público. O equipamento da Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) volta a funcionar nesta sexta-feira (28) depois de 14 anos de interdição do prédio e uma reforma que custou R$ 9 milhões e dotou o local do conforto e das características de climatização e luminosidade adequadas a instituições museológicas.

“Homenagem à Democracia”, de Franz Weissmann, um dos mais importantes artistas da história da arte moderna e contemporânea brasileira, é uma das obras do “O Parque de Esculturas do MAB” | Foto: Divulgação/Secec

O MAB vai oferecer um horário expandido de visitação, de 9h às 21h, todos os dias à exceção de terça-feira, diferenciando-se de outros museus da Secec, que abrem de sexta a domingo. Quatro exposições vão ocupar o hall, o pilotis e a área externa com gravuras de Tarsila do Amaral, fotos de Orlando Brito sobre nossa história recente, painéis que narram a trajetória do museu e esculturas na área externa.

“Cumprimos mais um compromisso assumido com o público da capital e do Brasil, ao reabrir o MAB, completamente revitalizado e em condições de conforto e segurança sanitária, permitindo acesso ao acervo de valor incalculável”Bartolomeu Rodrigues, secretário de Cultura e Economia Criativa

Para a segurança dos visitantes, serão adotados os protocolos de segurança de praxe: obrigatoriedade de máscara para entrar, medição de temperatura dos usuários na entrada, distanciamento monitorado entre as pessoas e álcool gel disponibilizado.

“Cumprimos mais um compromisso assumido com o público da capital e do Brasil, ao reabrir o MAB, completamente revitalizado e em condições de conforto e segurança sanitária, permitindo acesso ao acervo de valor incalculável”, destaca o titular da Secec, Bartolomeu Rodrigues.

Uma novidade será a possibilidade de circulação de animais de estimação na área externa e nos pilotis de modo experimental, desde que responsáveis pelos “pets” respeitem a convivência com os visitantes e a higiene do local, das obras e dos equipamentos do museu. “Caso não haja incidentes sérios nas semanas seguintes à abertura, a política será tornada permanente”, afiança o gerente do MAB, servidor público e artista plástico Marcelo Gonczarowska.

Haverá, neste momento, máquinas automáticas de venda de lanches. Um café está previsto para funcionar nos pilotis, mas depende de licitação que será feita em junho e ficará sob a responsabilidade de Organização da Sociedade Civil ainda não definida.

“Tarsila no MAB” apresenta seis gravuras da artista Tarsila do Amaral (1986-1973), expoente da Semana de 22 | Imagem: Reprodução

Exposições

No hall, A exposição Tarsila no MAB apresenta seis gravuras da artista Tarsila do Amaral (1986-1973), expoente da Semana de 22, de dez obras pertencentes ao acervo do museu. A mostra celebra os 135 anos do nascimento de uma das mais importantes artistas do Brasil, que revolucionou a arte brasileira.

Tarsila foi a primeira artista a criar uma arte verdadeiramente nacional, nas palavras de Mário de Andrade. Sua pintura Abaporu (1928) fundou o movimento artístico da Antropofagia e é um dos quadros brasileiros mais conhecidos dentro e fora do país. As gravuras em exibição foram expostas pela última vez no museu em 2004. Fazem parte de uma série criada pela artista paulista em 1971, cujos temas são paisagens antropofágicas e vistas de praias e do interior.

No Pilotis, Brasília: cenário do Poder reúne 18 fotografias realizadas entre 1966 e 2021 pelo fotógrafo e jornalista Orlando Brito, profissional reconhecido na cobertura política em Brasília. Mineiro e de família pioneira na capital, ele começou em O Globo e depois migrou para a Veja, onde ficou por 16 anos. Foi também editor de fotografia do Jornal do Brasil, no Rio. Autor de diversos livros de fotografia, tornou-se hors concours do Prêmio Abril de Fotografia, que ganhou 11 vezes.

“Brasília: cenário do Poder” reúne 18 fotografias realizadas entre 1966 e 2021 pelo fotógrafo e jornalista Orlando Brito, profissional reconhecido na cobertura política em Brasília| Foto: Orlando Brito

Suas fotos normalmente ultrapassam o registro fotojornalístico e trazem um discurso poético-artístico a ponto de terem sido incorporadas aos acervos de instituições como o Museu de Arte de São Paulo, os museus de Arte Moderna do Rio e de São Paulo e o Centre Georges Pompidou, de Paris. Na mostra, imagens do período da ditadura militar, das Diretas Já e da pandemia da covid-19.

O MAB exibe 10 painéis que contam a história do museu e de seu acervo. O público também poderá conhecer as transformações pelas quais passou na mais recente reforma. Entre as imagens reproduzidas estão as de obras de artistas como Rubem Valentim, Fernando Carpaneda e Célia Matsunaga.

Design

Também apresenta, pela primeira vez, imagens de uma parte do acervo de design do MAB. Em celebração ao reconhecimento de Brasília como Cidade Criativa em Design pela Unesco em 2017, o MAB reabrirá como um museu de arte e de design, com um acervo de cerca de 20 móveis autorais, incluindo peças raras de Sérgio Rodrigues e de Jorge Zalszupin e obras de designers jovens premiados da cidade, como Eduardo Borém e Raquel Chaves.

“O Parque de Esculturas do MAB” apresenta mostra permanente de 12 esculturas distribuídas em sua área externa e interna. Desde a fundação do MAB, as diferentes gestões que se sucederam desejaram ou tentaram criar um parque de esculturas na região do museu, ideia que se materializou na reabertura. O Parque foca na produção de autores de Brasília que demonstram diferentes aspectos da produção dessa forma de arte na capital.

Obra de Luiz Ribeiro, representando a folha do pequizeiro | Foto: Joel Rodrigues/Agência Brasília

Entre os destaques, peças de Darlan Rosa, Omar Franco, Sanagê Cardoso e Mara Nunes. Um ponto alto é a escultura Homenagem à Democracia, de Franz Weissmann, um dos mais importantes artistas da história da arte moderna e contemporânea brasileira. Essa escultura, que pesa mais de três toneladas, foi projetada em 1958, mas somente executada em 1989, em comemoração às primeiras eleições diretas para a Presidência da República depois da ditadura militar.

Serviço

Regras de visitação

Visitação: de quarta a segunda-feira, de 9h a 21h. Fechado às terças-feiras.

Capacidade: Pilotis (140 pessoas); hall (15).

Observação: uso de máscara, controle de temperatura e espaçamento entre as pessoas; álcool gel disponível

Informações e agendamento de visitas guiadas para grupos: mab@cultura.df.gov.br

Classificação indicativa: livre

Endereço: SHTN, trecho 01, Projeto Orla polo 03, Lote 05, CEP: 70800-200 Brasília – DF

Instagram: @museudeartedebrasilia

 

*Com informações da Secretaria de Cultura e Economia Criativa 





Source link

Author

Share